31.8.05

Aniversário


É gostoso fazer aniversário. Não tem como negar que é um dia diferente, mais leve, mais alegre, com gosto de abraço e de bolo de chocolate. É bom sentir o carinho das pessoas queridas, falar com gente que andava sumida, o riso fácil, o papo descontraído. Eu me alimento da energia dos outros e por isso sempre acabo o dia do meu aniversário me sentindo um pouco melhor. Faz bem também relembrar aniversários passados: a inocência da infância no futebol dos 7 anos e no esconde-esconde no salão de festas decorado; a vergonha da adolescência nos bailinhos e no bolo em casa só para a família; a juventude nos bares com os amigos. Revivo também as pessoas queridas, no beijo e no colo das minhas queridas vovós, no bolo da nona. E me recordo feliz do jeito gostoso com que minha mãe e meu pai cantam "parabéns pra você" e depois correm a dar o primeiro beijo e abraço, com uma frase gostosa ao pé do ouvido, carregados dum amor e dum orgulho que só os pais têm.
Tem o lado chato de marcar a passagem do tempo, sempre apressado, mas aí é uma questão da perspectiva sob a qual se olha as coisas. Eu prefiro encarar pelo lado bom. A foto acima retrata um pouco como me sinto hoje.

28.8.05

A eterna disputa

Dever contra querer. Dever contra fazer. Estou aqui, sentado, em silêncio, encarando o computador há uns 3o minutos. Tenho que fazer um trabalho. O dedo, desobediente, já me levou a trocentos sites sobre quaisquer outros assuntos menos o que deveria. O Word permanece fechado, tranqüilo, desfrutando da agradável noite de domingo. De repente me lembro do dever e me bate essa sensação de urgência desagradável. "É para amanhã, já são nove da noite", eu penso. Mas tudo bem, "não estou com sono, e também dá para acabar amanhã na hora do almoço ou mesmo no fim do dia", penso eu também, como resposta a mim mesmo. Ô mania de deixar tudo para a última hora. Parece que quero atrasar a vida, aumentar a emoção. Desnecessário. Enfim, ou começo agora ou me rendo à improdutividade que me domina hoje. Aliás, estou tão improdutivo que entrei aqui para escrever um texto sobre outro assunto que me parecia interessante, para ver se pegava no breu e começava a fazer o trabalho. Bom, esqueci qual era o assunto e escrevi estas linhas para não aumentar o desgosto. É, hoje não é dia mesmo. O que me conforta (e me complica) é saber que no final sempre as coisas dão certo.

26.8.05

Números interessantes (ou nem tanto)

- Foram realizadas 4,8 bilhões de buscas na Internet no mês de julho, nos EUA. O Google é o líder do mercado com 36% de participação. O Yahoo vem em segundo com 30%.

- As vendas do varejo online nos EUA cresceram 26% no segundo trimestre de 2005, totalizando US$ 21 bilhões.

- 50 milhões de americanos visitaram algum blog no primeiro semestre do ano.

- Segundo a empresa americana de pesquisa Technoratti, a cada segundo são publicados 10,4 posts em blogs pelo mundo.

- De acordo com o levantamento , 80 mil blogs sao criados diariamente. Cerca de 55% do total de blogs estao ativos e 13% são atualizados pelo menos 1 vez por semana. De março a julho dobrou o número de blogs existentes no mundo. (Eram 14 milhões no fim de julho)

Essas e outras notícias sobre a grande rede e seus impactos no comportamento do século novo estão no blue bus.

24.8.05

Pitacos Soltos

(Tela de Aprígio, Tambor de Pedra)

- Nós brasileiros não temos o hábito de acompanhar de perto os assuntos africanos. Incluo-me na crítica. O partido do presidente do Zimbabwe, Robert Mugabe, apresentou na semana passada uma proposta de emenda à Constituição local que transfere ao controle discricionário do governo a emissão de passaportes para qualquer cidadão do país. O governo passa a ter autonomia para decidir se uma pessoa pode ou não sair do país, tenha motivo ou não. Um absurdo. Esse, tristemente, é só mais um exemplo - talvez até menor- de desrespeito aos direitos humanos e fundamentais, num continente historicamente sofrido, afrontado em sua cultura, saqueado, imerso em guerras civis, miséria, epidemias, vítima da civilização, privado e saudoso do convívio de muitos de seus filhos: emigrantes escravos de ontem e sonhadores de hoje - ou mortos mesmo.

- Hoje o Google lançou um programinha para concorrer com o MSN Messenger e com o quase esquecido ICQ. É o Google Talk. Para instalá-lo deve-se ter uma conta no Gmail e sua grande vantagem sobre o messenger é que permite comunicação por VoIP (como o Skype). Vamos ver se mais essa iniciativa deles vai dar certo. (Parece claro que o Google caminha a pasos firmes para se estabelecer como concorrente da Microsoft - vide Gmail, Picasa, Google Desktop etc.- , mas o curioso é que todos os programas mencionados são exclusivos para a plataforma Windows. Não rodam em Mac ou Linux. Paradoxal.

- Genial: "O de Collor foi o melhor. O de FHC foi 'marrom' (marromenos). O de Lula estava bom demais para ser verdade. " - Jeany Mary Corner sobre seus negócios ao longo dos governos.

22.8.05

Links - Digestivo Cultural

Outro link que indico ao lado é para o Digestivo Cultural, site que também deve ser conhecido da maioria aqui.
O Digestivo surgiu de uma iniciativa despretenciosa de Julio Daio Borges, criador e faz-tudo do folhetim, e em cinco anos tornou-se uma verdadeira referência de cultura e bom jornalismo na Internet. É muito bacana o que o Júlio construiu. Muito sensato, bem-informado e dedicado, ergueu em pouco tempo um baita site do nada. Hoje o digestivo possui até encartes em jornais e revistas impressos. Reunindo nomes consagrados do jornalismo cultural e ilustres desconhecidos, lá são publicados boletins semanais sobre cinema, literatura, gastronomia, teatro, artes, televisão, imprensa etc, colunas sobre os mais diversos temas e até alguns ensaios literários e culturais. Sempre vale a visita.
Também não posso deixar de comentar que há umas duas semanas, ao tentar procurar pelo meu blog no google, tive a surpresa e a felicidade de encontrar um post que publiquei aqui ("O país da fila") lá no digestivo, na seção de blogs. Agradeço ao Júlio pela menção. Confesso que foi um belo estímulo para este blog que vai ainda no seu terceiro mês de vida.

20.8.05

Juiz pra quê?

Independente de qual será o desfecho do caso, estou farto das declarações mirabolantes dos ex-alguma coisa que viram capa de jornal e páram o país. É muita irresponsabilidade. Ontem tivemos o depoimento do ex-assessor do Ministro Palocci em Ribeirâo Preto e na mesma hora o inteiro teor de suas declarações foi divulgado em todos os meios de imprensa do país. Seguiu-se o de sempre: a bolsa caiu, o dólar subiu, o risco-brasil o acompanhou e por aí vai.

Promotores e delegados pavões de um lado e uma imprensa ávida por notícias bombásticas do outro e o resultado é este: total irresponsabilidade. Divulga-se qualquer coisa a qualquer preço. Não interessa se há provas, se o assunto é sigiloso, as implicações possíveis, se a fonte é segura ou não, nada disso conta. O que importa é que os nomes e, com um pouco de sorte, as fotos de uns e outros estarão no jornal de amanhã e que o jornal de amanhã vai vender mais com as declarações e as fotos de uns e outros na sua mais nova capa bombástica, em letras garrafais, recheada de conclusões proféticas e opiniões de especialistas.

Para que sistema judiciário se basta qualquer ex-zé mané abrir a boca e deixar a imprensa condenar quem quer que seja?

Obs. Que fique claro que isto não é uma defesa do Palocci. Somente uma crítica ao comportamento da imprensa e das "otoridades" desse país.

17.8.05

Recortes

Em Círculo

Estamos perdidos há muito tempo. O país perdeu a inteligência e a consciência moral. Os costumes estão dissolvidos, as consciências em debandada. Os caracteres corrompidos. A prática da vida tem por única direção a conveniência. Não há princípio que não seja desmentido. Não há instituição que não seja escarnecida. Ninguém se respeita. Não há nenhuma solidariedade entre os cidadãos. Ninguém crê na honestidade dos homens públicos. Alguns agiotas felizes exploram. A classe média abate-se progressivamente na imbecilidade e na inércia. O povo está na miséria. Os serviços públicos são abandonados a uma rotina dormente. O Estado é considerado na sua ação fiscal como um ladrão e tratado como um inimigo. A certeza deste rebaixamento invadiu todas as consciências. Diz-se por toda a parte: o país está perdido.

(Eça de Queirós, sobre Portugal, no ano de 1871)

15.8.05

Finalmente

Saiu, finalmente, o DVD de Lavoura Arcaica. Com uns 4 anos de atraso, mas saiu. Estará nas locadoras em setembro.

Lavoura Arcaica é um de meus livros prediletos. Absolutamente genial. E, aparentemente, intransponível para as telas. (Foi escrito pelo Raduan Nassar, um escritor que é tão bom, mas tão bom, que é considerado um dos grandes romancistas do séc. XX tendo escrito somente 3 livros. Depois disso abdicou da vida pública e refugiou-se na vida do campo. Um amigo garante que ele nunca parou de escrever e que mantém um baú com todos seus textos. Para publicação póstuma. 'Não sei se é fato ou se é fita', mas só a expectatva que a idéia gera já é gostosa.)

Pois foi com essa impressão que recebi cheio de ressalvas a notícia de que haviam feito uma adaptação do livro parao cinema. A direção foi do Luís Fernando Carvalho, que fazia sua estréia na telona mas vinha de trabalhos interessantes na televisão, como Os Maias. Os protagonistas, Selton Mello e Raul Cortez (brilhantes).

O resultado superou as expectativas. Assisti ao filme na Mostra de SP (de 2001?), no Cinearte. Nunca presenciei uma sessão de cinema tão aplaudida. Foi comovente. A adaptação foi muito fiel ao livro. E isso é o que mais me espantou. Filmou-se o infilmável, e com rara beleza. A linguagem própria e simbólica, o ritmo, a fotografia esplendorosa, enfim, tive a sensação de assistir não a um filme mas sim a um livro. Fui ao cinema e li um filme. As imagens falam.

Mas que fique claro, não se trata de uma unanimidade. Como toda manifestação artística não convencional, divide opiniões. Há os que a amam e os que a odeiam. Não há meio termo aqui. Eu fico com a primeira opção.

14.8.05

Boato

Dizem que a qualquer momento o Lula pode desligar-se do PT e anunciar que não concorrerá à reeleição no próximo ano. Vamos ver.

Aliás, essa semana o Duda Mendonça nos deu mais um exemplo de como é muito mais fácil destruir do que construir. Em uma única tarde acabou com uma imagem construída pelo trabalho de muitos e muitos anos...

Cinemascópio

Já que o assunto é cinema, ao lado há um link para o Cinemascópio, do crítico pernambucano Kleber Mendonça Filho. Num país onde a referência do ofício é o Rubens Ewald Filho, é sempre bom encontrar alguém que sabe escrever sobre cinema. Eu leio o cinemascópio há algum tempo e o KMF tornou-se meu crítico favorito. Meu gosto cinematográfico certamente traz alguma influência sua. Eu nunca fui muito de me guiar por críticos, mas ao perceber que minhas opiniões sobre filmes quase sempre coincidiam com as dele, passei a me lê-lo com mais freqüência e a seguir suas dicas. Quase nunca me decepcionei. Fora isso, todos os anos ele vai a Cannes e publica cobertura diária do festival no site. Antecipa muita coisa boa. KMF é crítico do Jornal do Commercio, de Recife, sabe tudo de cinema, já filmou alguns curtas (tive a oportunidade de assistir a um deles num festival de curtas em SP), tem muito bom gosto, bom senso, e mantém há anos esse excelente site sobre cinema.

13.8.05

Alguns filmes

Pitacos sobre alguns filmes que vi recentemente (não que os filmes sejam novos):

- Mestre dos Mares: bem-feito, entretenimento de qualidade. Prendeu minha atenção.
- Sin City: gostei bastante. Nunca havia visto nada parecido. É como se estivéssemos, de fato, assistindo a uma história em quadrinhos. O uso das cores, os atores, a direção, o som, tudo muito bom mesmo. Deve estabelecer um padrão para novas incursões no gênero.
- Menina Santa: esperava mais. Já havia ouvido falar muito da diretora (Lucrecia Martel), mas nunca tinha visto nada dela. O filme é bastante delicado e passa seu recado nas entrelinhas. Talvez eu não estivesse concentrado o bastante.
- Corrente do Bem: A história é interessante mas o filme deixa a desejar. É mal editado, a história é mal contada, enfim, falta alguma coisa.
- Bom Dia, Noite: filme interessante, fornece um olhar diferente sobre um fato histórico. Mistura suavemente realidade e ficção. Só me incomodaram alguns personagens muito caricatos.
- Leis da Atração: horroroso.
- Melinda e Melinda: mais do mesmo. Woody Allen em versão descartável. Ele já se repetiu com mais brilho em outras ocasiões.

11.8.05

XI de Agosto

"Onde é que mora a amizade?
Onde é que mora a alegria?
No Largo de São Francisco
Na Velha Academia!"

Os melhores anos de nossas vidas.

Brasil x China


Clique na imagem ao lado para ler interessante matéria da The Economist sobre as relações mandarim-tupiniquins.

HTML

Essa linguagem HTML é uma maluquice. Tenho até vergonha de contar o tempo que perdi para conseguir dividir os links ao lado em categorias (blogs e outros). Não saía do jeito que eu queria de maneira alguma. Venci na base do puro orgulho. :~)

10.8.05

Pelo menos estão trabalhando

Ontem botei a TV no timer e dormi ao som de Babá e Marcos Valério, ao vivo da CPMI do Mensalão. Eram quase duas da matina e eles estavam lá, firmes e fortes. Não durei muito para comentar o que falaram, mas dormi pensando que ao menos o pessoal anda trabalhando lá em Brasília...

9.8.05

Passo Adiante


(Foto de autor desconhecido)

Desespero-me. Quero andar e não consigo. Estou preso. Não sei por quê nem por quem. Faço força mas é inútil. Continuo no mesmo lugar. Minhas pernas estão imóveis. Meus braços também. As paredes me espremem. Olho ao meu redor e há gente por todos os lados. Todos olham para mim. O que querem comigo? Não me movo. Somente minha cabeça funciona. E rápido. Os pensamentos me vão e vêm, implacáveis. O sangue esquenta. Meu esforço é mudo. Minha corrida é estática. O sofrimento agônico. Quero me soltar. Fecho os olhos. O tempo passa. As pessoas ainda passam e ninguém mais me vê. É como se eu não existisse. Quero gritar. Ninguém me ouve. Ainda não me mexo. Como não me vêem? Respiro. O tempo passa. As pessoas se afastam. As paredes começam a sumir. Para onde vão? Tenho mais espaço. Ar. Respiro novamente. Quero andar, quero prosseguir. Tento dar um passo. Em vão. Ainda não consigo. O tempo passa. Já não há mais ninguém. Sumiram todos, paredes e gentes. Estou só. Surge a calma. Sinto que posso me mexer. Levanto a cabeça e enxergo o horizonte. Posso ir para qualquer lado. Ninguém me espreme. Estou num vasto campo de luz forte e branca. É tudo branco ao meu redor. Mexo os braços. Liberdade. Tento dar um passo adiante e novamente não consigo. Continuo no mesmo lugar. O problema agora é outro: já não sei para onde ir.

7.8.05

Estranhos Pequenos Prazeres

Volto do futebol com machucados em meus dois joelhos. Feridinhas, daquelas que fazem casquinha que daqui a alguns dias já posso até começar a arrancar. Que delícia voltar à infância.

Sumiu

Acabei de perceber que um post que eu havia escrito e publicado simplesmente sumiu. Não, não estou louco. Tenho certeza de que não apaguei. Se tem alguém aí que lê o que eu escrevo, por favor me avisem se se lembram de ter lido um comentário sobre a renúncia do Valdemar Costa Neto. Publiquei na última segunda-feira, 1/8. Eu também recomendava a leitura do blog do noblat (o que volto a fazer agora). O que me incomoda é que não sei dizer se sumiram outros posts também. Para falar a verdade tenho a impressão de que sim. Sumiu o que estava entre Medicina Comercial e Aviso Importante. Que raiva. É nisso que dá não fazer back-up direito.

Cinza


(Foto de Guilherme Ramalho)

A Veja exagera

A Veja exagera. A capa de hoje, associando diretamente a imagem de Lula à de Collor, é um pouco demais. A crise é grave e o assunto impeachment merece e deve ser tratado pela imprensa. Mas de forma séria e imparcial. Uma capa como a de hoje, fazendo uma associação baixa com interesses manipulatórios, não é séria nem imparcial. Lula, com todos os seus defeitos, não tem nada a ver com Collor. É lamentável a penetração que essa revista tem na nossa sociedade. Principalmente entre os tais formadores de opinião. Apresenta sempre versões parciais dos fatos e suas matérias são sempre editorializadas e tendenciosas. Fora o fato de que me incomoda quando a imprensa considera-se no direito de julgar e condenar por antecipação a quem seja. Reportagem é uma coisa e opinião é outra. Ainda mais opinião editorial. Um veículo de imprensa que se pretende sério deve veicular as duas, de forma separada e identificada. Não me parece ser o que faz a Veja.

Pearl Jam no Brasil?

É o que andam dizendo.

A história é a seguinte: quando você acessa o site da banda, imediatamente começa a tocar "Garota de Ipanema", de Tom Jobim. Ok, e daí?

Bom, antes tocava uma música relacionada ao estado da Filadélfia, que parou de tocar justamente quando foi anunciado um show na.... Filadélfia. Antes disso, tocava o hino do Canadá. Até ser anunciado um show no país de Wayne Gretzky. O mesmo passou com um show em Atlantic City. Enfim, a teoria é de que a banda dá dicas de onde irá fazer show por meio da
música de abertura de seu site. Resta torcer.
Seria do cacete.

Aliás, a valorização do real serviu para que voltássemos a ter shows de artistas internacionais no país. E o bacana de viver em SP é que todo mundo que vem para o Brasil passa por aqui. ;)

5.8.05

Aliás

Falando-se em erros gramaticais, o link abaixo cairia bem para o pessoal do Burger King. Na esquina da Hélio Pellegrino com a Santo Amaro tem um outdoor gigante que grita em nossas caras "A democracia chegou nas ruas". Terrível! O mais incrível é pensar que um troço desses foi aprovado por um monte de gente antes de chegar ÀS ruas e nos assustar.

Links - Ciberdúvidas

Hoje recomendo o link ao lado para a página Ciberdúvidas da Língua Portuguesa.

Trata-se de um sítio português muito bacana sobre a língua portuguesa e as dúvidas que comumente a rodeiam.

Funciona no formato pergunta e resposta. Qualquer pessoa pode acessar e enviar uma pergunta. Seus colaboradores, na sua grande maioria renomados acadêmicos da Língua Portuguesa, respondem e publicam no site. O conjunto de perguntas e respostas forma o banco de dados, consultado por mecanismo de busca interna por termos. Como o serviço é mantido desde 1997, acredito, tem-se um considerável acervo já disponível para consulta. Eu sempre encontro respostas para minhas dúvidas.

As respostas são sempre muito bem escritas, formuladas com exemplos e referências gramaticais, respeito aos regionalismos e formação da língua e, principalmente, elaboradas com bastante bom senso.

Ou seja, um endereço para se ter às mãos a todo o momento. Pode ser providencial.

4.8.05

5 centavos

Ontem fui ao supermercado e fiz uma compra de valor próximo a duzentos reais.

A atendente do caixa me perguntou se eu tinha o cartão-fidelidade-super-ultra do Extra.

Respondi que não. Ela então falou "que pena, senão o senhor teria direito a um desconto."

De 5 centavos. Sim, R$0,05. Eu juro, vi no monitor dela.

Achei meio ofensivo.

Aviso Importante

Cigarro e bituca de cigarro são lixo e, como tal, devem ser jogados na lata de lixo.

Pasmem, mas não são substâncias biodegradáveis nem têm a incrível propriedade de evaporar. Sim, sujam e enfeiam a cidade.

O mais curioso é que este aviso me parece inútil, pois acredito que os fumantes já saibam disso. Tenho a impressão, contudo, de que somente se lembram quando estão em suas casas ou em seus carros. Na rua ou em ambientes públicos, convenientemente, esquecem-se.

1.8.05

Medicina Comercial

Este é um tema que me aflige há algum tempo. A medicina, a ciência da vida, aquela que deveria gerar a mais bonita das profissões, responsável por salvar vidas, transforma-se, cada dia mais, num simples negócio. É triste, quando não revoltante, o “profissionalismo” dos médicos em geral.

Formou-se um círculo vicioso que tem como vítima o cidadão comum. As consultas particulares avulsas são caras. O sistema de saúde público é ruim. Planos de saúde são benefício concedido com freqüência pelos empregadores. Conclusão: ou se vai ao médico do convênio ou ao hospital público. O convênio paga mal aos médicos (coisa de 30 reais pra baixo), que são obrigados a atender um paciente a cada 15 minutos. Não interessa a gravidade do caso. São 15 minutos e adeus. Sim, as consultas demoram mais, mas e daí?, o próximo que espere. O atraso está muito longo, não tem problema, são 10 sessões de fisioterapia e esse remedinho por 1 mês, assim, bem rapidinho, sem olhar direito, e que venha o próximo. Precisa de um exame mais sofisticado, quer dizer, mais caro? É bom(?) seu caso ser sério mesmo, pois os médicos têm quotas de exames a conceder por mês impostas pelos planos de saúde, sob o risco de serem descredenciados de suas redes. E se o forem, ficam sem paciente. Portanto... Fraqueza, quentura? Deve ser gripe, compre esse aqui, 2 vezes ao dia por uma semana e tchau. Mas doutor.... – Próximo, por favor. - Boa tarde, eu estava com uma dor aq... – Sim, tome este medicamento, vai aliviar a dor.
Triste.

(Que me perdoem os bons médicos, que ainda respeitam o paciente. Não quero generalizar. Conselho aos novos médicos: trate o paciente com respeito, ouça o seu (dele) problema, olhe-o nos olhos, preocupe-se. Mesmo se os interesses forem comerciais, garanto que faz toda a diferença. Ninguém vai ao médico porque quer, sim porque é preciso.)